20110202-1


※上記の広告は60日以上更新のないWIKIに表示されています。更新することで広告が下部へ移動します。

Mubarak desiste de se candidatar à reeleição no Egito
O presidente do Egito, Hosni Mubarak, afirmou que não vai se candidatar à eleição presidencial marcada para o mês de setembro, e tampouco visar um novo mandato.

Mubarak fez um discurso pela TV na noite de ontem, terça-feira.

Segundo o presidente egípcio, a principal prioridade era estabilizar a nação para permitir a transferência de poder. Ele disse que vai trabalhar durante os últimos meses de seu mandato por uma transição pacífica.

Hosni Mubarak revelou que haverá reformas políticas, incluindo uma revisão constitucional, antes da eleição presidencial.

Após o início dos protestos no Egito, em 25 de janeiro, Mubarak nomeou um novo gabinete e adotou medidas para promover a criação de empregos. No entanto, ele não conseguiu conter o caos que se instalou no país.

Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas na terça-feira em todo o Egito para se juntar à "Marcha do Milhão", exigindo a renúncia de Hosni Mubarak.

Diversos manifestantes criticaram o discurso televisionado de Mubarak, dizendo que ele deveria deixar o poder imediatamente.

Os manifestantes declararam que continuarão com seus protestos antigoverno nesta quarta-feira.



ONU afirma que 300 egípcios podem ter morrido em confrontos
A chefe de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas disse que até 300 pessoas podem ter sido mortas na revolta no Egito. Ela pediu ainda por calma nos protestos programados para ontem, terça-feira.

Navi Pillay, alta comissária para Direitos Humanos da ONU, fez a declaração também na terça-feira. Ela afirmou que as mortes têm ocorrido diariamente e, segundo relatórios não confirmados, até 300 pessoas podem ter sido mortas e mais de 3 mil feridas até agora. A contagem foi feita pelo órgão junto a sua rede de contatos com organizações não-governamentais no Egito.

A alta comissária pediu às autoridades egípcias para garantirem que a polícia e o exército não façam uso excessivo da força e trabalhem para proteger os civis. Ela também enfatizou que os manifestantes devem evitar atos de violência.



Gabinete da Jordânia renuncia em massa após protestos
O rei da Jordânia, Abdullah II, substituiu o primeiro-ministro do país após a continuidade dos protestos contra o alto índice de desemprego e a inflação.

Manifestações reunindo centenas ou até milhares de pessoas têm sido realizadas diariamente, inspiradas nos protestos ocorridos na Tunísia e no Egito.

Na terça-feira, o gabinete do premiê Samir Rifai renunciou em massa. Há duas semanas, o governo de Rifai adotou medidas para cortar os preços dos produtos de uso cotidiano e elevar os salários dos servidores públicos. No entanto, as medidas não satisfizeram os manifestantes, e um número cada vez maior de pessoas passou a aderir aos protestos.

O rei Abudullah II nomeou Marouf Bakhit para ser o próximo primeiro-ministro, pedindo a ele que forme um novo gabinete para implementar reformas políticas e econômicas.


Novo tratado sobre armas nucleares entre EUA e Rússia entra em vigor no sábado
Um novo tratado de redução de armas nucleares entre os Estados Unidos e a Rússia vai entrar em vigor no sábado.

O Departamento de Estado norte-americano afirmou na terça-feira que a secretária de Estado do país, Hillary Clinton, e o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, vão trocar os documentos de ratificação em Munique, na Alemanha.

O Senado dos Estados Unidos aprovou a ratificação no Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas em dezembro. O Parlamento russo fez o mesmo em janeiro.

O Novo START, como é conhecido o acordo, exige dos dois países que reduzam o número de ogivas nucleares estratégicas posicionadas para não mais que 1.550 em cada nação dentro de sete anos. Também limita o número de veículos lançadores, como mísseis balísticos, para 800 em cada país. Ambas as nações vão ter de comprovar seus esforços de redução.




Rússia pede que Japão participe de projetos econômicos conjuntos
Um aliado próximo ao presidente russo Dmitry Medvedev afirmou que Moscou e Tóquio devem promover projetos econômicos conjuntos relacionados às quatro ilhas mantidas pela Rússia, mas que são reclamadas pelo Japão.

Declaração nesse sentido foi prestada pelo conselheiro econômico chefe Arkady Dvorkovich em entrevista concedida na terça-feira à NHK.

Na entrevista, Dvorkovich afirmou que o governo russo planeja dar continuidade às negociações com o lado japonês para resolver a pendência territorial.

Porém, ele salientou que os dois países não devem ater-se tão somente às suas posições quanto a questão; e, sim, conduzir esforços para estreitar os vínculos políticos e econômicos bilaterais.

Segundo o conselheiro econômico chefe do governo russo, caso empresas japonesas apresentem projetos próprios a serem implementados nas ilhas em questão, Moscou está pronta para estudá-los imediatamente.

O governo japonês, por sua vez, tem mantido a posição de não aceitar a proposta da Rússia de promover o desenvolvimento econômico conjunto das ilhas até que a disputa territorial tenha sido solucionada.




Rússia realiza seminário sobre investimentos em ilhas reclamadas pelo Japão
A Rússia realizou um seminário para promover investimentos estrangeiros no desenvolvimento das ilhas sob posse russa mas reivindicadas pelo Japão. O evento, o primeiro do tipo, aconteceu em Yuzhno-Sakhalinsk, a capital da região russa da Sacalina, na terça-feira.

O seminário foi patrocinado pelo governo do distrito de Kuril do Sul, do qual fazem parte três das quatro ilhas sob posse russa e clamadas pelo Japão.

Cerca de 70 representantes de empresas da Coreia do Sul e da China compareceram. O governo local pediu-lhes que invistam nos setores de turismo e processamento de pescado, enfatizando que a região é rica em recursos marítimos.

O governo do distrito de Kuril do Sul tinha convidado Takayuki Koike, cônsul-geral do Japão na Sacalina, para o seminário. Mas o diplomata recusou o convite e disse que participar de tal evento entraria em conflito com a reivindicação territorial do Japão.


Comentário: Questão territorial entre Japão e Rússia
O governo russo está tomando medidas para desenvolver as ilhas ocupadas pela Rússia mas reclamadas pelo Japão. Quais são as intenções de Moscou? No comentário de hoje, falamos com Taisuke Abiru, pesquisador da Fundação Tóquio, especialista em assuntos da Rússia.

Em primeiro lugar, perguntamos o motivo da Rússia manter com firmeza sua postura e aumentar sua presença nas ilhas, apesar da forte oposição do Japão.

O pesquisador afirma que no passado, nas relações entre o Japão e a Rússia, especialmente em relação às 4 ilhas, a estratégia básica japonesa era de fornecer assistência econômica ou tecnológica para o desenvolvimento do extremo leste da Rússia, numa tentativa de obter em troca, concessões referentes à questão territorial. No entanto, com a desaceleração da economia japonesa, o maior trunfo do Japão nas negociações com a Rússia está se tornando menos eficaz. Neste seminário que visa a obtenção de investimento estrangeiro na região, a Rússia convidou o Japão, além da Coreia do Sul e China.

Certamente, quando a Rússia busca investimentos estrangeiros na região da Ásia e do Pacífico, incluindo as 4 ilhas em questão, Moscou se concentra na conquista de capital do Japão, Coreia do Sul e China. Porém, a posição russa referente às 4 ilhas é conflitante com a reivindicação de soberania do Japão.

Apesar disto, a Rússia convida o Japão a se envolver de forma positiva, provavelmente pressionando o Japão ao trazer a Coreia do Sul e a China ao cenário.

O consul geral do Japão na Sacalina, apesar de receber o convite, não participou do seminário. Por meio deste protesto, a chancelaria japonesa se opõe fortemente ao avanço russo nas 4 ilhas ocupadas por Moscou. O Japão manteve sua posição de que as 4 ilhas estão sob a soberania japonesa.

No entanto, esta é uma abordagem passiva e não apresenta possibilidade de um desenvolvimento concreto. Quanto à situação política no Japão, o Parlamento está abalado por questões domésticas. No tocante à diplomacia, as relações japonesas com os Estados Unidos e China se tornaram relativamente instáveis.

Sob tais circunstâncias, o governo japonês não está conseguindo lidar com a questão da disputa territorial com a Rússia. Aparentemente por enquanto o governo japonês está apenas tentando ganhar tempo.

Este foi o comentário.




Pesquisadores descobrem ovas de enguia-japonesa no Pacífico
Uma equipe de pesquisadores do Japão foi capaz de encontrar pela primeira vez ovas de enguia-japonesa.

Pesquisadores da Universidade de Tóquio e da Agência de Pesquisas Pesqueiras coletaram 31 ovas de enguia no Oceano Pacífico, a 2,2 mil quilômetros de distância ao sul do Japão.

A descoberta das ovas pode ajudar a solucionar o mistério que circunda o ciclo de vida das enguias, e elevar os conhecimentos acerca das condições necessárias para sua procriação.

Os criadores de enguias costumam criar os espécimes recém-nascidos na natureza porque muitos deles acabam morrendo, caso sejam cultivados logo no início da fase de desova.



Universidade de Kyoto obtém direitos de patente de células iPS
A Universidade de Kyoto afirmou na terça-feira que obteve o direito da patente da tecnologia de células-tronco pluripotentes induzidas, ou células iPS na sigla em inglês, de uma empresa biofarmacêutica norte-americana em um acordo de licensiamento mútuo. A medida deve permitir à instituição japonesa adquirir patentes nos Estados Unidos.

A Universidade de Kyoto deu entrada em seis pedidos de patentes, incluindo requerimentos relacionados a métodos de produção das células iPS, nos Estados Unidos. Um dos processos, que usa três genes e uma proteína, era semelhante a outro cuja patente foi requisitada por uma companhia norte-americana.

Com o acordo, a empresa cedeu o direito de pedir a patente à instituição japonesa. Em troca, a Universidade de Kyoto garantiu à companhia direitos não-exclusivos à tecnologia de células iPS.



Ciclone ameaça nordeste da Austrália
O nordeste da Austrália se reforça para enfrentar um forte ciclone ao mesmo tempo em que tenta se recuperar dos danos causados por recentes inundações.

Autoridades meteorológicas preveem que o ciclone atingirá a cidade de Cairns, no norte do país, na noite de hoje, quarta-feira ou na manhã de quinta-feira.

Segundo as autoridades, o ciclone de categoria 4 pode ser tão arrasador como furacão Katrina, que devastou o sul dos Estados Unidos em 2005.



Google oferece visitas virtuais a museus
A Google, começou a oferecer visitas online a museus de arte famosos do mundo, permitindo que usuários de seus serviços de internet possam ver algumas obras-primas.

Ontem, terça-feira, a empresa começou a divulvar seu arquivo de 17 museus da Itália, Rússia e outros países.

Os usuários podem fazer passeios virtuais aos museus e apreciar mais de mil obras em exposição. O serviço é gratuito.


Cotação do dólar
Hoje de manhã, no mercado de câmbio de Tóquio, o dólar teve uma baixa em relação ao iene.

Às 11, hora local, a moeda americana era negociada entre 81,48 e 81,53 ienes, em um recuo de 0,31 iene em relação à cotação vespertina de ontem.